segunda-feira, 27 de julho de 2009

Mãos - Vermelho

As mãos que me fazem entender Adão
As mãos que me entortam
Que me fazem dizer não, nunca mais. E caindo se faz um deslize proposital. Para que chegues a boca, a minha boca que cada vez mais tem fome delas, sutilmente se encaixam e as sulgo inteiras. E a suculenta janta dança o rítmo da língua que fica mais agitada com o passar do tempo, tentando fazer com que ela se desprenda do resto do corpo e com o desespero do frenesi , passe pela garganta macia e para sempre morra em mim.

5 comentários:

  1. Adoro sua espontaneidade..
    Adoro quando me abraça no corredor da faculdade..
    Adoro quando me para na fila do teatro e fica azeda por nao t cumprimentar..
    Adoro pela preocupacao q tem comigo..
    Adoro por estar cansada do serviço..
    Adoro por me mostrar coisas no painel da faculdade..
    Adoro estar na sala em frente a sua..
    Adoro sentir inveja da qualidade d seus textos..
    Te adoro porra kkkkkkkk
    Beijos paxao..
    Parabens pelo texto..lindo!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. a boca deseja os lábios mácios
    e a língua o suordeamor do corpo
    da pele morena da moça.

    ResponderExcluir
  4. é, eu venho sempre aqui com uma ânsia de te ler, mas... :/

    meu beijo e abraço.

    ResponderExcluir
  5. quero textos...bóra escrever ai hein rsrs..
    beijos..

    ResponderExcluir