segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Carregada

E quando nos perdemos, as vezes nem parece que é tão ruim assim o outro lado.
As vezes é preciso passar por isso, sentir na pele o que só é para ser visto ou pensado.
E não perder a esperança que um dia sentiremos de novo, de outra forma...claro.
Eu estou esperando este dia chegar e me carregar para o meu destino que será melhor porque é o que preferi.
Graças a mim mesma, tudo será novo e gostoso de se viver. Serei forte e independente.
Mas pensando como seria se não estivesse ali.
Uma breve vida, tenho certeza. Farei dela a melhor de todas.
Sem medo e com fome de conhecer os desencontros  no ponto de partida que nunca fiz.
E agora sinto isso intensamente me consumindo por dentro.
Aposto o quanto de falta que isso ira me causar, essa vida antiga sofrida.
Cheia de espinhos e calos já acostumados a pisar errado pelo caminho que ninguém se dá conta.
E que se vá tudo pelos ares, estarei pronta para conservar tudo bem junto.
Expremindo e absorvendo cada gota de nostalgia que guardarei no lado esquerdo do cérebro, que é o lugar dela.
Observando os pingos de novas manhãs, acordarei de levinho e colocarei a cabeça em seu peito.
Só para saber o que seria de mim, se não fosse você e assim por diante.
Me desarmando quando quiser. E me guiando para um futuro mais denso e confortável.
Porque quando olhar para o lado você irá descobrir a razão para tudo isso estar acontecendo e se desenrolando dessa maneira tão cheia de gana.
Me sinto esperta , quero tudo o que me é de direto.Vou tomar posse e sumir no mundo.
Considerando as coisas boas e ruins.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Abri os olhos

E quando a gente abre os olhos para o mundo
Vê tanta coisa que não sabia, que fingia não perceber
Porque nascemos com "tapas", direcionando o nosso olhar somente para uma verdade, que depois  descobrimos com muita curiosidade, violência e dor, que ela não é mais absoluta. E até parece que nunca vivemos naquele mundo, depois que vêmos como o outro lado da moeda é bom e que podemos lutar e que podemos gritar, por uma vida melhor, por vidas melhores.
Meus filhos serão diferentes. Vão experimentar o que quiserem, coisas, formas, cheiros, sabores. Quero uma vida livre, sem preconceitos definindo o que é bom e ruim. Eles irão descobrir sozinhos lógico com a sabedoria dos mais velhos, mas quero que eles metam o pé na terra e sintam sua textura e percebam como é bom, identificar as coisas por si só e não com tradições, conceitos prontos.
E neste momento da vida quero isso pra mim também. Prometo ser livre para fazer o que quiser e assumirei os atos que serão somente beníguinos. Estou impondo uma decisão em minha vida que benificiará muitas outras, que salvará muitas. Eu sei que vai ser difícil, já está sendo, mas nenhuma mudança é facíl,ainda mais quando se fala em outros seres vivos.
Mas estou firme, nunca estive tão convicta de uma decisão. E ao mesmo tempo que escrevo, só penso neles. E os amo profundamente.

abri os olhos