terça-feira, 28 de abril de 2009

Agora

Agora preciso contar, preciso me explicar. Se eu soubesse que era tão facíl assim ...não teria esperado me enojar tanto para dizer que agora a beleza é outra, que a farsa já não me cabe mais e que estou grande, tão grande que as calças que me obrigou a usar durante anos encolheram.

Agora mudei os planos e deixei um vão entre a inconsciência que me dominava e a realidade absoluta que é a minha vida .Não vou mais seguir niguém, tenho pés. Me ataram em uma camisa e me bateram.

A comida era pouca e os sorrisos raramente expostos, e quando, eram interpretados por suas donas como um refúgio de esperanças. As coisas ficavam melhores quando me fazia burra, mas não era, então eu esperei, esperei, esperei, mas esperar cansa. Não vejo meu ato como uma desistência, mas sim como uma sobrevivente coragem .Descobri que tenho ego como todos e que amo como todos ,nem se esse amor for por mim mesma.

Então agora respiro ar puro.