Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2009

A

Imagem
As árvores alegres, autênticas...absolutas. Abalam-se. Alguém absorve a alma ave, anjo...asas. Álias antes acontecia amor. As amantes ardem-se, assim...afim. Afeto aflora afinidades agradáveis, acabando a afobação. Ali abaixados...alinhavados.
Assustada afaga a ameaça apreendida, a alcoólatra aturava alfinetadas adoçicadas aliada as atividades amorosas. Asemelhan-se as avassaladoras amoras avermelhadas. Apenas amoras apimentadas amamentam as almas andando arrependidas. Antigamente aqueles azuis alvos aqueciam as amargas amarras atando-as à acordes angelicais.
Aprontando, apanhando, alcançando, apontando até a aurora ao amanhecer aperfeiçoado aparecer, abraçar-me,afagar-me...abandonar-ne ao anoitecer.

O balanço

Imagem
Meus dedos estão calejados de tanto aprender à sofrer,meu corpo já não é mas o mesmo...sinto dores em lugares que nem sabia que existiam, minha respiração falha sem eu ao menos perceber,quando olho para o horizonte só enxergo embaçamento.E quando me vejo no espelho não me reconheço mais, na minha memória está guardada a imagem daquela jovem moça...menina que gosta de brincar no balanço, sentir o vento batendo no rosto , os cabelos se enroscando ,olhar o céu azul ,azul, azul sem nenhuma nuvem...o sol lá longe piscando para mim, a única coisa que se ouve é o ranger da corda com o vai e vem do balanço...só isso num silêncio sem fim, e por um segundo esqueci de tudo ,da boneca, de moer cana,de varrer a terra,de olhar,de piscar, de respirar...esqueci de pensar, só fiquei alí...balançando sem se preocupar com nada .Senti.Pela primeira vez senti.A vida como ela deveria ser vivida, como ela deveria ser sentida.
Balançando,balançando...poderia morrer ali ou o mundo acabar naquele segundo eu co…

Capitolina

Imagem
Eu ainda era moça, quando ele me apareceu. Seu rosto nunca saiu da minha memória, lembro de todos os contornos. Sua boca lisa, mordidas fúteis. Seus olhos luz, seduz o que espera. Deve ser só isso, menti quando disse que lembrava de tudo.Oh! E suas mãos, como podia ter esquecido.
Ele se aproximava e se dispersava com a fumaça, que não gostava.Me provocava com sua mãos macias , grossas e amavéis. Existiam sim toques obscenos se notasse. Mas eu gostava.
Mergulhei nele, e ele...se deixou levar pelas minhas correntezas. Contornei , deslizei, perguntei e quase desacreditei.
Ele era só meu ,e eu sabia disso.Casamos. Nunca tive medo de perdê-lo. Tivemos um filho.Ele não seria capaz disso.
Eu sempre o amei, sempre, nunca me deixai levar por outro, a não ser por ele.Mas suas mãos.Ele era a minha juventude, eu o mastigava, deglutia e respirava. Suas mãos. Às vezes ele balançava nos meus amores e acreditava que eu não seria capaz, mas definitivamente suas mãos me induziam a loucura. Eu mergulhava, u…